terça-feira, 13 de abril de 2010

Jornais e revistas melhoram a comunicação



Na saída da fábrica, nos portões de acesso, nos corredores, nas salas de cada departamento é comum se deparar com a distribuição de jornais e revistas empresariais. É algo que nasceu com a incumbência de aproximar os funcionários da realidade da empresa, estimular a participação dos grupos no planejamento estratégico da organização, compartilhar metas e objetivos, promover as conquistas individuais e coletivas, melhorar a autoestima, consolidar a cultura organizacional, enfim, aperfeiçoar os níveis de comunicação.
Faz-se necessário frisar que a história das publicações empresariais fez par com a própria evolução da democracia. Ao fim do período político de uma ditadura por 21 anos, as empresas sentiram a necessidade de ampliar os canais de comunicação com seus funcionários, clientes, formadores de opinião e demais públicos. No princípio, tudo muito tímido; reuniões de pautas com a participação de diretores, diretores, diretores... e um ou dois gerentes. Era uma forma de demonstrar abertura, porém, com alto grau de insegurança.
No viés do processo comunicacional, os sindicatos apresentaram suas produções jornalísticas e informativas com maior liberdade, desde o linguajar até as fotos e ilustrações, obtendo maior proximidade e identidade com as grandes massas. As empresa então se viam num dilema, pois não achavam certo entrar na ciranda popular estabelecida pelos sindicatos, mas também não queriam se distanciar com produtos literários que não oferecessem estímulo aos leitores e tampouco interatividade de informação com o público.
Os poucos comunicadores da época se viam num perfeito “samba do crioulo doido”, pois era difícil convencer as cúpulas da necessidade de maior abertura para a participação dos grupos funcionais nas pautas das publicações. Assim, como também existiam vários tabus acerca dos temas escolhidos para preencher as páginas de cada edição.
Lembro de uma experiência particular, numa multinacional de autopeças, em que o presidente solicitou uma pesquisa para identificar o porquê da não aceitação das publicações distribuidas pela empresa, e mais, por que os funcionários não confiavam na empresa? Depois de uma semana realizando pesquisa quantitativa e qualitativa, em três turnos, constatamos que, realmente, os funcionários não confiavam na empresa. No entanto, o sindicato era merecedor do mesmo grau de confiabilidade. Ou seja, os funcionários estavam descontentes e desconfiados de ambos, pois os estilos de comunicação não satisfaziam o nível de informação desejado.
Foi preciso mexer muito na estruturação das reuniões de pautas; tirar gente do setor operacional em horário de expediente para contribuir com sugestões; fazer com que pessoas do administrativo sentassem lado a lado com operários de fábrica, uma oportunidade para ouvir suas sugestões, reclamações e muitos outros esclarecimentos que até então não pareciam fazer parte da mesma realidade. Foi admirável notar como as pessoas designadas para participar dessas reuniões tinham o cuidado de conversar com seus pares de departamento para tentar extrair o máximo de sugestões para o próximo número de cada edição. Até o sistema de distribuição dos periódicos foi alterado em virtude das recomendações dos funcionários.
Durante muitos meses fizemos o monitoramento e assistimos uma verdadeira tranformação no trato com as publicações da empresa, com o conhecimento acerca de metas e objetivos, com o número de sugestões criadas nos programas participativos (CCQ, Kanban, Just in Time, 5S, Qualidade Total). Verdadeiramente, as publicações ganharam um papel importante na aproximação da cúpula com o nível operário, e vice-versa.
Hoje, estamos em outro patamar, com o advento da Internet houve uma série de modificações no processo comunicacional; a introdução de veículos ainda mais ágeis (e-mails, MSN, newsletters, boletins eletrônicos, intranet, mídias sociais, programas jornalísticos internos) deram uma conotação de virtualidade para a comunicação. Entendo, porém, que o papel - literalmente - das publicações continua necessário no processo analítico e reflexivo de variados temas importantes para a integração organizacional;  na aproximação entre o que acontece na empresa e a família; no intercâmbio entre as pessoas que ainda sentem estímulo em debater, conversar e apontar situações registradas em cada jornal ou revista de empresa. Portanto, devemos, sim, criar novos estímulos, novas formas de abordar velhos assuntos; ousar no trato de temas variados; criar oportunidades de participação e de aparição que os veículos eletrônicos não conseguiram suprir. É um desafio repaginar nossas publicações, trazendo um novo encanto para um tipo de leitor cada vez mais mal acostumado e exigente do ponto de vista comunicacional. Devemos mais uma vez reaprender a fazer uma publicação que mereça ser lida, discutida, comentada pelos corredores e salas de nossas empresas. Mesmo que digam que os veículos em papel estejam em extinção; já falaram o mesmo do rádio, cinema e, como mostra a história, só houve evolução.


segunda-feira, 5 de abril de 2010

Fatores que geram consumo

São quatro fatores que geram consumo: cultural, social, fisiológico e psicológico. É em cima deste quarteto que a comunicação deita seu leque de estudos para absorver todo o conhecimento necessário em lidar com as nuances do comportamento humano na hora do consumo.

A cultura é uma forma de satisfazer as necessidades do próprio ambiente social, dando instrumental necessário para a manutenção do meio em que se vive. As crenças, costumes e valores culturais são seguidos desde que gerem satisfação. Portanto, um produto ou serviço deve estar alinhavado com a ordem e o grau de satisfação almejado pelos grupos. Contrariar essa linha natural momentânea é depor contra o próprio projeto de venda planejado. É preciso seguir o curso do rio com visão apurada para se antecipar às tendências e mudanças que poderão ocorrer no caminho.

O plano social é interpretado pela própria leitura diária do comportamento humano em variados locais. É comum observar grupos com os mesmo estilos, propósito de consumos, locais de frequência e assim por diante. Com isso, é possível instrumentalizar uma boa campanha de marketing para falar mais perto e contundentemente aos grupos. É a maximização da comunicação como fator gerador de retorno.

No plano fisiológico, o consumidor é quase que um “animal voraz” no quesito consumo. Ele está a preencher uma necessidade básica de sobrevivência, como é o caso de sua alimentação. Entretanto, mesmo na necessidade natural de consumir alimento para se manter vivo, ainda existem outros fatores geradores de consumo que se coadunam para determinar a efetiva ordem de compra de um ou outro produto; daí advém o valor de marca.

O estímulo psicológico é determinante para angariar a simpatia definitiva de um consumidor sobre um produto, serviço ou marca. É a leitura mais intima daqueles que definirão o sucesso ou fracasso do objeto a ser consumido. São diferentes escolas que defendem temáticas diversificadas para a interpretação do ser humano, no entanto, é possível identificar os rumos de ações de comunicação com base na conjunção de conhecimentos disponíveis, aliados a meticulosas pesquisas que determinem os caminhos para ações efetivas e promissoras.

O composto de estudos sobre esses quatro fatores determinantes de consumo é a melhor matemática para o planejamento de ações de marketing e comunicação. É preciso alinhavar todos os fatores dentro do mesmo planejamento para um resultado cada vez mais efetivo. Devemos sempre ter em mente que o ser humano é a base de todos os estudos e não o contrário. Máquinas, sistemas e a evolução natural dos negócios e meios de comunicação devem ser adaptados às pessoas. Com isso, estaremos trabalhando na direção natural dos fatos e obtendo maior resultado sobre cada ação realizada.

Do simples ao complexo: a vida de uma empresa

João um dia resolveu abrir um negócio; não seria mais funcionário e conduziria sua vida com sua própria cabeça. Comprou um carrinho, fe...