sexta-feira, 25 de junho de 2010

Sempre uma via de duas mãos?

Marketing político

A corrida eleitoral pela intenção de votos mostrou nesta semana (24 de junho) a candidada Dilma Rousseff ultrapassando em cinco pontos percentuais o concorrente José Serra. A tônica da discussão acontece numa semana em que o candidato tucano tinha maior visibilidade na mídia graças ao tempo partidário gratuíto na Tv. Curiosamente, no contrafluxo do que era esperado, os números parecem que, magicamente, pularam no colo da adversária. Um erro de estratégia ou apenas a combinação do casamento da imagem de Lula à Dilma?

O certo é que a análise não buscava as causas mas sim as determinações futuras para um contra-ataque. Logo os afoitos de plantão taxavam duas alternativas: manter tudo como dantes e amargar as consequências desastrosas de ver a candidata lulista ganhar dianteira, ou então, mudar o curso da campanha e disparar contra um presidente que detém 85% do apoio populacional do país – soa como suicídio.

É pobre e patético ver que as vertices de comunicação do mundo político ainda trafegam tão comumente pelas duas vias do contra e do a favor. Existe uma falta de criatividade, de visão de futuro, de propostas, de audácia comunicacional.

O simbolismo ideológico e figurativo apresentado pelos nossos candidatos em suas andanças nas alamedas brasileiras é flashback de tempos idos, coloridos pela repaginação de figurinos pré-testados por marqueteiros que entoam palavras de ordem aos seus comandados para serem reproduzidas em momentos certos, nas horas certas. No entanto, falar, até papagaio fala.

Não é só a vestimenta, o modo de falar, as palavras, o sorriso, o programa de governo e outros falsos detalhes que mimetizam a imagem ideal do candidato junto ao coração de seu eleitorado. É preciso criar a “simbiose da alma”, na qual a palavra soa como uma oração; quando as propostas batem fundo ao modo de vida de cada um; quando a postura cria laços de empatia com o receptor. Costumo dizer que não adianta lutar contra a correnteza, é duro ver alguns candidatos que não têm a menor vocação para showman fazerem um esforço descomunal para agradar sua audiência depois de um breve período de treinamento com seus assessores; parecem bonecos de Olinda desfilando pelos palanques tupiniquins.

As aparições televisivas são baseadas em técnicas demodes, sem tempero, sem consistência, sem alma. Por ofício, analiso todos os quadrantes do dia-a-dia dos candidatos, desde as fotos dos jornais e revistas, passando pelos falsos sorrisos na tevê, a voz bem postada nas ondas das rádios, até os twitters garimpados no novato terrítorio da Internet. Nesse centro de observatório comunicacional é possível encontrar contrariados candidatos; contrariados não pela conduta dos roteiros pré-estabelecidos, mas sim pela alma na condução da interpretação das personagens postuladas. Há quem diga que da verdade não se pode fugir; e cada vez mais o eleitor parece saber como revelar a alma eleitoral. Ao longo de campanhas políticas sempre procuro observar a reação das pessoas após cada comício, longe dos holofotes e das câmeras que parecem intimidar a verdade de opinião de cada eleitor. Pois são nesses momentos, comentário vai, comentário vem, que a verdade aparece. E quase sempre, na maioria das vezes, há um descrédito por parte das pessoas em relação as falas mansas e cheias de promessas de como cada candidato poderá transformar o mundo; também noto que a empatia ocorre quando determinadas palavras batem à alma do eleitor, e posso dizer que isso só acontece quando a verdade do candidato bate com a verdade do eleitor. É um desafio que transcende o campo puro da comunicação e abre janelas para a antropologia, psicologia, sociologia, filosofia e outras catedras das ciências humanas na busca do entendimento do ser humano.

A Internet abriu um vasto campo para o estudo do processo eleitoral; as pessoas vão colocando suas posições em frente as mexidas no tabuleiro de xadrez do cenário político nacional. Quando uma jogada é realizada, logo vem um enxurrada de informações e posições diante do acontecido. É nesses momentos que as estratégias podem ganhar espaço para seguir em frente ou ganhar indícios de que é preciso mudar rotas e rever caminhos; enfim, é preciso saber jogar.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Votar com sustentabilidade

Sustentabilidade é a maneira pela qual podemos prover as necessidades dentro dos aspectos ecológico, cultural, social e econômico sem prejudicar a sociedade presente e futura. Diante desse tema tão em voga, podemos englobar a questão política e por que não, as próximas eleições?

Se os eleitos presidente, senadores, governadores e deputados serão os responsáveis na condução das políticas que nortearão o futuro deste país, então é justo e notório que a questão da sustentabilidade esteja intrinsecamente relacionada à questão política, sim!

Como as empresas devem se comportar diante desse cenário? Como conciliar diretrizes éticas, influência do quadro funcional e dos demais públicos, como avaliar e julgar o melhor destino para o futuro de um município, estado e nação? Ou é melhor deixar tudo como está, apenas participando como contribuintes financeiros de campanhas?

Para se atingir um denominador comum, primeiro é preciso trazer à luz a questão da ética empresarial; afinal, o que é ética empresarial? Dentro do lugar comum, ética é o conjunto de princípios e valores que norteiam as nossas decisões, avaliações e julgamentos. Em termos mais simples, é o que pesa e determina o “sim e o não” para todas as decisões. Então, como uma empresa deve intuir que o candidato “x” será melhor do que o candidato “y” não apenas para os atributos de negócios, mas também para os anseios sociais, culturais e de cidadania em geral?

Talvez em virtude da própria complexidade e do campo minado em que se pisa é que as empresas procuram se eximir o máximo possível de tais responsabilidades. Porém, elas sofrem as consequências de suas não-escolhas, pois estarão à mercê das decisões futuras adotadas por tais políticos. Neste caso, até o momento, o que se faz é virar o leme de acordo com os desígnios da maré, do vento e das tempestades. A empresa abre mão de escolher por quais mares quer navegar.

Muitos então dirão que as empresas ao adotarem caminhos de participação e influência mais contundente na eleição dos governantes, então visarão apenas e somente os aspectos importantes ao rumo dos negócios. Se assim fosse, então as empresas certamente seriam geridas por um bando de imbecis que não conseguem enxergar um palmo diante dos olhos, pois uma empresa dissociada da evolução global da sociedade é uma candidata ao fardo da inexistência em pouco tempo.

Tudo hoje está estritamente interligado. Já não é possível produzir uma determinada peça de um maquinário, num bairro distante, sem levar em conta o que é importante para o cliente localizado em outro continente; as exigências dos níveis de produção são cada vez mais condizentes e ditames do próprio anseio de cidadania global.

Cortar árvores sem reflorestamento; empregar menores abdicando da importância do compromisso escolar; produzir poluindo e sem levar em conta a comunidade local; todos estes pontos circunstanciais determinam se haverá futuro para as empresas praticantes.

É difícil perceber interesses de empresas dissociados das necessidades de um simples cidadão, afinal, quando uma sociedade sofre com a falta de saúde, habitação, educação, transporte, saneamento básico, trabalho, segurança, então o resultado de uma maneira ou de outra repercutirá na vida da organização, seja na redução das vendas, na performance de produção, na qualidade de produtos e serviços, na falta de mão de obra qualificada, na criação de capital intelectual, no poder de competitividade, na ampliação de mercado, na consolidação de marcas e produtos, nos lucros e dividendos.

Portanto, se os interesses das empresas estão interligados com os interesses da sociedade, por que então não agir nas campanhas eleitorais? Bem, voltamos ao início. É uma discussão longa, uma luta que precisa ser travada... ou talvez, não?

Do simples ao complexo: a vida de uma empresa

João um dia resolveu abrir um negócio; não seria mais funcionário e conduziria sua vida com sua própria cabeça. Comprou um carrinho, fe...