segunda-feira, 27 de outubro de 2014

É a comunicação, estúpido!

“É a economia, estúpido!” Foi uma frase famosa cunhada por James Carville, estrategista de Bill Clinton, na campanha americana de 1992. À época, George Bush (pai) era considerado imbatível, pois acabará de vencer a guerra do Golfo Pérsico. Carville conseguiu convencer que o negócio era canalizar a campanha para os problemas cotidianos dos cidadãos, culminando na famosa frase.
No Brasil, tivemos nesta semana a vitória da presidente Dilma sobre o candidato Aécio Neves. Tudo seria trivial se não fossem os mesmos ditames de sempre. Como bem apontou o ex-marqueteiro de campanha de Aécio Neves, o antropólogo Renato Pereira: “ele pregou para convertidos”.
Trocando em miúdos, é como passar a campanha inteira convidando surfista para participar de luau, o que não requer esforço. Entretanto, por maior lógica que tenha o discurso e temas tratados ao longo da campanha pelo então candidato do PSDB, a maioria ouviu, mas não escutou.
Aqui abrimos os parênteses da comunicação. Para melhor compreender, vamos ao exemplo da professora falando com o aluno:
- Menino você não me ouviu direito?
- Ouvi sim, eu só não escutei o que a senhora disse.
Pois é, somente ouvir, o que se refere ao sentido da audição, não significa compreensão, o que está reservado à capacidade de escutar.
 Nesse cenário, o PT é catedrático no processo de falar o que a maioria compreende. Quem já trabalhou com comunicação no chão de fábrica sabe muito bem do que estou falando.  A comunicação é uma ciência cheia de mistérios, com seus signos, técnicas, ícones, que devem ser reelaborados de acordo com as necessidades de informação e formação de cada público. O entendimento é o objetivo maior.
Enquanto os demais partidos não deixarem suas convicções acadêmicas de lado e trilhar no caminho de que é preciso saber falar com o povo e não falar para o povo, haverá por muito tempo uma coletânea de derrotas sem a menor dose de aprendizado e sabedoria.


Do simples ao complexo: a vida de uma empresa

João um dia resolveu abrir um negócio; não seria mais funcionário e conduziria sua vida com sua própria cabeça. Comprou um carrinho, fe...